Etimologia de Oclocracia

Registra fonte no grego como ochlokratía, formando-se a partir de dois elementos claros: ochlos, em alusão a uma multidão ou massa de pessoas, e krátos, em referência ao governo no contexto do poder. Assim, o termo oclocracia faz referência às circunstâncias em que determinada massa popular se torna protagonista da sociedade.

Quando em um sistema democrático a “multidão" toma a iniciativa

Os filósofos gregos, especialmente Platão e Aristóteles, não simpatizavam com a democracia. Entendiam que o governo do povo era uma fórmula perigosa, uma vez que propiciava a demagogia e o populismo. Platão desconfiava do sistema democrático porque uma assembleia do povo condenou injustamente seu mestre, Sócrates. Esta vivência pessoal foi determinante na concepção política do filósofo ateniense.

Para Platão, quem deve governar são os filósofos, porque são eles que têm critérios sobre o que é justo ou injusto, assim como sobre as virtudes e os vícios. Aristóteles analisou a democracia a partir de uma perspectiva mais objetiva, mas enfatizou o perigo dos demagogos (um político demagogo pode manipular o povo e levá-lo a um caminho perigoso).

A análise de algumas palavras tem um interesse que vai além do estritamente linguístico. O termo oclocracia é empregado raramente na comunicação cotidiana, mas através dele podemos entender melhor alguns fenômenos sociais.

No século II a. C o historiador Políbio analisou o conceito da Oclocracia

No livro VI de sua história, este erudito grego, já instalado em Roma, concentrou-se na questão do governo da multidão. Assim, entendia que uma massa popular desorganizada pode tomar o poder através do uso da violência.

Seguindo a teoria de Aristóteles, expôs uma reflexão sobre as diversas formas de governo. Políbio afirmou que a tirania pode degenerar em uma oligarquia e que a democracia pode levar a uma oclocracia (neste caso, produz uma versão popular da tirania).

Em sua reflexão havia uma menção explícita aos ciclos da política e a sua degeneração cíclica e inevitável. Em outras palavras, um sistema político evolui até certo ponto e logo se transforma em uma realidade muito diferente da original. Este mecanismo de evolução está presente na democracia, já que o governo do povo tende à degeneração e, portanto, é previsível o surgimento de algum movimento social violento, degenerado e totalitário. Os ciclos políticos desenvolvidos por Políbio são explicados em sua teoria da Anaciclose (esta palavra significa precisamente a repetição de um ciclo).

    : Eugene

Buscador