Etimologia de Geopolítica

Compreende a fusão de dois componentes: o prefixo geo-, do grego geō-, por gê, que se refere à terra, e política, observado no latim como politĭcus, sobre a raiz grega politikós, feminino de politikḗ, determinado pelo termo polis, que faz alusão à cidade e seus interesses e responsabilidades correspondentes.

Em seu sentido atual, a denominação geopolítica se refere ao estudo das relações de poder no mundo. Obviamente, a ideia de poder está quase sempre projetada em aspectos relacionados a um território: exploração de recursos naturais, rotas comerciais, conflitos de fronteira, etc. Em outras palavras, o cenário geográfico determina o futuro dos acontecimentos políticos, neste sentido, a luta pelo poder não é algo abstrato e indeterminado, mas sim concretizado em um quadro territorial.

Vale a pena recordar que as comunidades de homens primitivos já lutavam entre si para ocupar as melhores áreas de caça. Ao mesmo tempo, a formação de todos os impérios ao longo da história é explicada por uma combinação de interesses políticos e circunstâncias territoriais.

Esta disciplina surgiu no final do século XIX devido à influência da teoria evolucionista

A obra de Charles Darwin sobre a evolução das espécies estabeleceu uma revolução em todas as ordens. Assim, os mecanismos de seleção natural serviram como um quadro de referência para a sociologia, filosofia, antropologia ou política. Em 1916, o politólogo e geógrafo sueco Rudolf Kjellén publicou o tratado de fundação da geopolítica: "O estado como órgão vivo". Esta obra analisa a formação dos impérios no final do século XIX e início do século XX.

Para Kjellén, as nações não devem ser entendidas simplesmente em sua dimensão jurídica, mas sim de alguma maneira como um organismo vivo. Desta forma, alguns povos têm a necessidade de difundir seus interesses culturais e econômicos além de suas fronteiras naturais e esta circunstância constitui a essência do desejo imperialista de algumas nações europeias. A partir desta perspectiva, as grandes nações têm um espírito competitivo que as impulsiona para o domínio de outros territórios.

As teses de Kjellén foram assumidas pelos nazistas para legitimar o expansionismo do Terceiro Reich

O desejo de dominar todos os impérios precisa de alguma justificativa teórica. No início da década de 1930, o Terceiro Reich alemão, liderado por Adolf Hitler, encontrou a desculpa perfeita para iniciar sua carreira expansionista: a nação alemã teve que criar um império para garantir sua sobrevivência. Com este critério "legítimo" a Alemanha nazista ocupou o território da Tchecoslováquia, Polônia e Áustria.

    : Ekuksha

Buscador