Etimologia de Indivíduo

Aparece no latim como individuus, fazendo alusão àquilo que não pode ser dividido. Esta palavra é formada a partir da negação in-, acompanhada do adjetivo dividuus, do qual se associa ao verbo dividir como dividere. O conceito indivíduo se conecta com aquilo que é um elemento concreto dentro de um sistema global. É projetado em três contextos da linguagem: na biologia, na filosofia e na vida cotidiana.

É interessante observar certas formas em relação ao núcleo da palavra: individualismo (dado o componente grego -ismo que traça uma forma de pensamento), indivisível (em latim indivisibĭlis), viúvo (em latim viduus) ou o verbo dividir (em latim divīsus).

Desde o biológico

Desde o século XVIII existe a atual classificação dos seres vivos. Todas as espécies pertencem à determinada ordem e cada ser particular é um indivíduo ou organismo vivo.

Os indivíduos de uma espécie tem uma série de características comuns: formam um nível organizacional, possuem processos metabólicos, suas células se desenvolvem, tem um grau de adaptação ao meio natural e se reproduzem (quando este último acontece, cria-se um novo ser vivo ou indivíduo).

Por outro lado, estes traços formam uma unidade genética.

Na linguagem filosófica

Enquanto na biologia o termo indivíduo equivale a organismo, na filosofia indivíduo e pessoa são termos com o mesmo significado.

Já na filosofia grega aparece a distinção entre ser individual e ser universal. O primeiro é algo ou alguém concreto e particular, enquanto que o segundo é resultado da abstração (há homens específicos que podemos identificar e ao mesmo tempo existe a ideia de homem que tem um caráter universal).

Para os filósofos cristãos, a ideia de pessoa envolve uma substância individual de natureza racional que se opõe à substância divina e perfeita. A partir deste pensamento, o resto dos seres individuais (os animais) pertence a outra categoria, pois são criaturas e não indivíduos. Na filosofia moderna, a ideia de pessoa incorporou aspectos psicológicos, éticos e jurídicos.

Na linguagem corrente

Quando uma pessoa conhece outra normalmente a identifica pelo nome, mas quando não existe tal conhecimento a pessoa se torna um indivíduo. Pode-se dizer que usamos esta palavra quando há uma despersonalização das relações humanas.

Individualismo versus coletivismo

Quando pensamos na realidade humana, há geralmente dois planos diferenciados: o individualismo e o coletivismo. O primeiro enfatiza o valor de cada pessoa específica e sua independência, enquanto que nas avaliações coletivistas os interesses particulares são diluídos em favor de um grupo ou coletivo.

O liberalismo é a proposta ideológica que exalta o indivíduo, já o comunismo é a perspectiva que antepõe o interesse coletivo acima do individual.

    : MIG

Vinculado

Buscador