Etimologia de Idoneidade

Originária do latim idoneítas, serve para referir à capacidade de algo ou alguém, no entanto quando falamos de uma pessoa significa que a mesma dispõe de aptidão ou disposição especial para realizar determinada tarefa ou trabalho.

Normalmente, é aplicada em contextos de trabalho dos quais a produtividade e a rentabilidade de uma empresa são os fins máximos, apenas acessíveis a uma conjunção de fatores: investimento, decisões bem-sucedidas e recursos humanos convenientes e adequados para desenvolver as tarefas com eficiência.

Todas as atividades profissionais demandam o cumprimento ou não de estudos específicos, ou requerem apenas uma formação técnica, exigem a competência do trabalhador para desenvolvê-las satisfatoriamente, tanto no que diz respeito a sua experiência como a instrução.

Para poder aplicá-la em determinado cargo, em uma empresa ou organismo, é imprescindível contar com as aptidões que demanda o cargo para que seja corretamente desempenhada. A capacidade será avaliada por especialistas através de entrevistas e testes.

As empresas ou áreas de recursos humanos, conhecendo esta exigência, planejam o perfil do trabalhador que deseja determinado cargo e diante dessas condições e requerimentos baseiam sua convocação: idade, nível de estudos, experiência de pelo menos um ano na área, disponibilidade horária, manuseio de informática, de idiomas, entre outros.

O não cumprimento de alguns desses requisitos atua como um filtro natural e permite que os interessados saibam a priori se estão ou não preparados para atender as exigências do cargo.

O trabalho não é o único contexto na qual a idoneidade fundamental, na área financeira e jurídica também são estabelecidas condições de competência para acessar a determinados benefícios.

Condição que desperta confiança

Quando um indivíduo se apresenta em uma instituição financeira para solicitar um empréstimo é essencial demonstrar confiança e um bom nível de renda como garantia de que possa assumir a devolução do dinheiro assim que possível.

Por outro lado, um prisioneiro que solicita permissão para sair da prisão para ir a um compromisso pessoal, como o enterro de um familiar, deve demonstrar e cumprir certas condições que garantam às autoridades judiciais que tal liberação não colocará em risco sua situação processual, nem poderá provocar perigo para terceiros.

Uma condição que deveria ser de cumprimento obrigatório para atuar no âmbito público

Algumas ações profissionais, especialmente aquelas que são realizadas no âmbito público, atentas à diferença de dispor de sapiência em determinada área, são consagradas nas normas da nação, ou seja, exige-se por lei contar com os conhecimentos necessários para poder desempenhar um trabalho no setor público.

No entanto, na prática, infelizmente isso poucas vezes é cumprido, pois em vez disso o que prevalece e se impõe é o nepotismo com o poder, não importa se a pessoa é funcional para o cargo, o que vale é sua qualidade de amiga, de confiável, e não seu mérito ou talento.

A idoneidade deveria ser a única limitação para que uma pessoa tenha acesso a um cargo e não sua posição social, seu dinheiro, ideologia, religião, entre outros. Neste caso, o único fator que deveria importar e ser considerado é sua capacidade ou não.

A democracia ateniense e os pais da Revolução Francesa a consideraram imprescindível para o acesso a cargos públicos.

Na Grécia antiga, os cargos públicos eram submetidos a um sorteio entre os cidadãos, ninguém era contratado por ser amigo de alguém com poder ou influência política, sendo escolhido com base na utilidade que representava.

De acordo com o que considerava a democracia ateniense por volta do século VI a. C., o sorteio de cargos públicos era a metodologia mais justa porque colocava todos os cidadãos em igualdade de condições e de serem selecionados, sem qualquer tipo de preferência.

Por outro lado, alguns séculos depois, o filósofo francês Jean-Jacques Rousseau, um dos mais emblemáticos do Século das Luzes (XVIII), teve uma diferença significativa em relação à ideia grega, pois argumentou que o sorteio só tinha razão de ser em um contexto da mesma competência de todos os cidadãos, enquanto que no campo trabalhista do qual se exige capacidade técnica e profissional específica o ideal seria a eleição ou o concurso de méritos.

A vitória do nepotismo nos dias de hoje

Claramente, as sociedades atuais regrediram neste aspecto se levarmos em conta o que ocorria na Grécia ou o que propunham os pais da Revolução Francesa em séculos atrás, hoje, em grande parte dos governos democráticos o mérito ou a idoneidade não acontece porque foram ganhos e aliciados pelo nepotismo.

    : Olena

Vinculado

Buscador